Atividades de História – 2º Ano – EM

22 de maio de 2012

1. (Udesc 2011)  Entre 1789 e 1799, a França atravessou um período profundamente transformador conhecido por Revolução Francesa. Em relação às características desse processo revolucionário e seus desdobramentos, analise cada proposição e assinale (V) para verdadeira ou (F) para falsa.

 

(     ) A França foi inovadora, pois não havia notícias de uma Revolução de Caráter Burguês e Liberal na Europa do século XVIII.

(     ) Durante os dez anos do processo revolucionário, houve uma série de acordos que garantiram uma transição tranquila e pacífica da Monarquia Absolutista para a República Federativa.

(     ) A Revolução Francesa pode ser subdividida em quatro momentos: a Assembleia Constituinte, a Assembleia Legislativa, a Convenção e o Diretório.

(     ) A Revolução Francesa disseminou nova concepção política e organizacional do Estado; suas ideias influenciaram a disseminação de guerras e conflitos e seus ideais de Liberdade, Igualdade e Fraternidade passaram a ser buscados por quase todas as nações do mundo contemporâneo.

 

Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo.

a) V – F – V – F

b) V – V – F – F

c) F – V – V – V

d) V – V – V – V

e) F – F – V – V

2. (Enem 2010)  Em nosso país queremos substituir o egoísmo pela moral, a honra pela probidade, os usos pelos princípios, as conveniências pelos deveres, a tirania da moda pelo império da razão, o desprezo à desgraça pelo desprezo ao vício, a insolência pelo orgulho, a vaidade pela grandeza de alma, o amor ao dinheiro pelo amor à glória, a boa companhia pelas boas pessoas, a intriga pelo mérito, o espirituoso pelo gênio, o brilho pela verdade, o tédio da volúpia pelo encanto da felicidade, a mesquinharia dos grandes pela grandeza do homem.

 

HUNT, L. Revolução Francesa e Vida Privada. In: PERROT, M. (Org.) História da Vida Privada: da Revolução Francesa à Primeira Guerra. Vol. 4. São Paulo: Companhia das Letras, 1991 (adaptado).

O discurso de Robespierre, de 5 de fevereiro de 1794, do qual o trecho transcrito é parte, relaciona-se a qual dos grupos político-sociais envolvidos na Revolução Francesa?

a) À alta burguesia, que desejava participar do poder legislativo francês como força política dominante.

b) Ao clero francês, que desejava justiça social e era ligado à alta burguesia.

c) A militares oriundos da pequena e média burguesia, que derrotaram as potências rivais e queriam reorganizar a França internamente.

d) À nobreza esclarecida, que, em função do seu contato, com os intelectuais iluministas, desejava extinguir o absolutismo francês.

e) Aos representantes da pequena e média burguesia e das camadas populares, que desejavam justiça social e direitos políticos.

3. (Cesgranrio 2010)  “ Santa Guilhotina, protetora dos patriotas, rogai por nós;

Santa Guilhotina, terror dos aristocratas, protegei-nos;

Máquina adorável, tende piedade de nós;

Máquina adorável, tende piedade de nós;

Santa Guilhotina, livrai-nos de nossos inimigos.”

 

(In ARASSE, Daniel. A Guilhotina e o Imaginário do Terror. SP: Atica, 1989. p 106-107)

 

A leitura do texto remete ao período da Revolução Francesa conhecido como Terror, que pode ser identificado como o momento

a) de diversas revoltas lideradas por trabalhadores rurais que pleiteavam o direito à terra, e contra os quais o governo girondino utilizou a guilhotina indiscriminadamente.

b) de medidas populares, tais como o controle de preços e a reforma agrária, sob a liderança jacobina, durante o qual a guilhotina representava para muitos a justiça revolucionária.

c) do apogeu do domínio burguês, caracterizado pela criação do Banco de França e pelo aumento do comércio francês com as nações europeias, durante o qual a guilhotina simbolizava a eliminação dos resquícios feudais.

d) do retorno da nobreza em uma ação contrarrevolucionária, que eliminou as lideranças burguesas e populares que haviam iniciado o processo revolucionário e utilizou a guilhotina como protetora da pátria ameaçada.

e) resultante da Lei de Cercamentos, que provocou a expulsão dos camponeses de suas terras e sua execução sumária, através do uso da guilhotina.

4. (Enem 2ª aplicação 2010)  O movimento operário ofereceu uma nova resposta ao grito do homem miserável no princípio do século XIX. A resposta foi a consciência de classe e a ambição de classe. Os pobres então se organizavam em uma classe específica, a classe operária, diferente da classe dos patrões (ou capitalistas). A Revolução Francesa lhes deu confiança: a Revolução Industrial trouxe a necessidade da mobilização permanente.

 

HOBSBAWN, E. J. A era das revoluções. São Paulo: Paz e Terra, 1977.

 

No texto, analisa-se o impacto das Revoluções Francesa e Industrial para a organização da classe operária. Enquanto a “confiança” dada pela Revolução Francesa era originária do significado da vitória revolucionária sobre as classes dominantes, a “necessidade da mobilização permanente”, trazida pela Revolução Industrial, decorria da compreensão de que

a) a competitividade do trabalho industrial exigia um permanente esforço de qualificação para o enfrentamento do desemprego.

b) a completa transformação da economia capitalista seria fundamental para a emancipação dos operários.

c) a introdução das máquinas no processo produtivo diminuía as possibilidades de ganho material para os operários.

d) o progresso tecnológico geraria a distribuição de riquezas para aqueles que estivessem adaptados aos novos tempos industriais.

e) a melhoria das condições de vida dos operários seria conquistada com as manifestações coletivas em favor dos direitos trabalhistas.

5. (Udesc 2009)  O ano de 2008 assinala os duzentos anos da chegada da Família Real ao Brasil.

Sobre isso assinale a alternativa CORRETA.

a) A monarquia que chegava ao Brasil representava, em realidade, boa parte dos ideais da Revolução Francesa e do liberalismo europeu daquele período.

b) As motivações da vinda da Família Real para o Brasil estão relacionadas mais à realidade europeia do período do que à ideia de desenvolvimento de um Brasil monárquico e posteriormente independente de Portugal.

c) Foi incentivada a manifestação pública de nossos problemas, seguindo as práticas liberais e laicas da monarquia portuguesa.

d) Chegando ao Brasil, o monarca trabalhou muito para a ampliação da cidadania.

e) A política de terras foi imediatamente implementada e, em 1810, o Brasil realizava sua primeira reforma agrária.v

6. (Ibmecsp 2009)  A expansão napoleônica no século XIX influenciou decisivamente vários acontecimentos históricos no período. Dentre esses acontecimentos podemos destacar:

 

a) A Independência dos Estados Unidos. Com a atenção da Inglaterra voltada para as batalhas com a marinha napoleônica, os colonos americanos declararam sua independência, vencendo rapidamente os ingleses.

b) A formação da Santa Aliança, um pacto militar entre Áustria, Prússia, Inglaterra e Rússia que evitou a eclosão de movimentos revolucionários na Europa e impediu a independência das colônias espanholas e inglesas na América.

c) A Independência do Brasil. Com a ocupação de Portugal pelas tropas napoleônicas, houve um enfraquecimento da monarquia portuguesa que culminou com as lutas pela independência e o rompimento de D. Pedro I com Portugal.

d) A Independência das colônias espanholas. Em 1808 a Espanha foi ocupada pelas tropas napoleônicas ao mesmo tempo em que se difundiam os ideais liberais da Revolução Francesa que inspirou as lutas pela independência.

e) O Congresso de Viena. A França de Napoleão assinou um pacto com a Áustria, Inglaterra e Rússia cujo objetivo maior era estabelecer uma trégua e reorganizar todo o mapa europeu.

7. (Puc-rio 2009)  Sobre os movimentos de independência ocorridos na América inglesa, em 1776, e na América hispânica nas primeiras décadas do século XIX, estão corretas as alternativas, À EXCEÇÃO de uma. Indique-a.

a) Em meados do século XVIII, nas treze colônias inglesas, os colonos americanos reagiram contra as leis impostas pelo Parlamento britânico e organizaram-se para defender a sua autonomia político-administrativa, a liberdade de comércio e a igualdade de direitos entre os habitantes do Reino e das colônias.

b) Em 1776, as colônias inglesas votaram a Declaração de Independência, que defendia princípios fundamentais do Iluminismo como a igualdade, o direito à liberdade e a instituição de governos fundados no consentimento dos governados.

c) Os movimentos de independência na América hispânica estão diretamente relacionados à invasão napoleônica da Espanha em 1808 e à deposição do rei Fernando VII, que resultaram no estabelecimento de juntas de governos locais na América, iniciando um intenso e amplo período revolucionário.

d) Assim como ocorreu com as treze colônias inglesas, todas as colônias espanholas na América tornaram-se independentes ao mesmo tempo, apesar de não terem mantido a unidade territorial existente e terem se dividido em vários estados nacionais independentes.

e) A revolução de independência das treze colônias inglesas e também os ideais iluministas depositários de novos princípios de organização política e social, contrários à monarquia, ao direito divino dos reis e a favor da soberania popular, tiveram uma enorme influência nos movimentos de independência da América hispânica.

8. (G1 – uftpr 2008)  A Revolução Francesa de 1789 foi diretamente influenciada pela Independência dos Estados Unidos da América e pelo Iluminismo no combate ao Antigo Regime e à autoridade do clero e da nobreza na França. Além do mais, a França passava por um período de crise econômica após a participação francesa na guerra da independência norte-americana e os elevados custos da Corte de Luís XVI, que tinham deixado as finanças do país em mau estado. Em 1791, os revolucionários promulgaram uma nova Constituição, a partir dos princípios preconizados por Montesquieu, que consagrou, como fundamento do novo regime:

a) a subordinação do Judiciário ao Legislativo.

b) a divisão do poder em três poderes.

c) a supremacia do Judiciário sobre os outros poderes.

d) o estabelecimento da soberania popular.

e) o fortalecimento da monarquia absolutista.

9. (Uece 2008)  Sobre as Revoluções Burguesas, são feitas as seguintes afirmações:

 

I. Consolidam o liberalismo e marcam mudanças nas estruturas econômicas, políticas e sociais de suas respectivas sociedades.

II. Têm como base a defesa do Antigo Regime e iniciam a transição do feudalismo para o capitalismo.

III. Seus exemplos mais expressivos são: Revolução Inglesa (1644), Revolução Americana (1776) e Revolução Francesa (1789).

 

Assinale o correto.

a) Apenas as afirmações I e II são verdadeiras.

b) Apenas as afirmações I e III são falsas.

c) Apenas as afirmações II e III são falsas.

d) Apenas as afirmações I e III são verdadeiras.

10. (Ufpe 2008)  O Romantismo trouxe críticas à sociedade capitalista, colocando questões sobre a felicidade e o apego aos bens materiais. Na sua visão de mundo, marcada pela diversidade de pensadores, criticou o Iluminismo e defendeu:

(     ) com equilíbrio, a liberdade individual, exaltando os ensinamentos do racionalismo grego.

(     ) a possibilidade de viver a emoção, procurando se libertar das censuras feitas pelas regras sociais mais rígidas.

(     ) em muitos dos seus aspectos, as teorias vindas de Rousseau, um dos iniciadores do Romantismo.

(     ) a liberdade para viver as paixões e emoções humanas e concedeu importância à capacidade de imaginação.

(     ) o respeito a todos os limites da sociedade tradicional, para recuperar a liberdade, primeira fundadora do social.

11. (Ufpel 2007)  Observe o seguinte esquema:

 

“a) Macaco: centro político e administrativo;

b) Subupira: campo de treinamento militar;

c) Amaro, Andalaquitude, Aqualtune, Acetirene, Tabocas, Zumbi, Ozenga, Danibraganga e outras menores unidades autônomas de produção.

Nessas povoações, a maioria era de negros, antigos escravos que buscavam a liberdade e a reconquista da sua dignidade como seres humanos. Também havia muitos não negros: índios, mulatos e mamelucos. Os documentos indicam ainda a presença de muitos brancos. Era um verdadeiro núcleo de deserdados da sociedade colonial nordestina dos séculos XVI e XVII.”

AQUINO, Rubim et al. “Sociedade Brasileira: uma história através dos movimentos sociais”. 3ª ed.

Rio de Janeiro: Record, 2000.

 

O esquema descreve o(a)

a) a da Revolução Francesa e a do governo Sarney.

b) a da Revolução Industrial e a do governo Collor de Mello.

c) a da Revolução Americana e a do governo Itamar Franco.

d) a da Revolução Inglesa e a do governo Fernando Henrique Cardoso.

e) a do Império Napoleônico e a do governo João Figueiredo.

12. (Uel 2007)  Leia o texto a seguir:

 

“Desde os tempos de Heródoto e Tucídides, a história tem sido escrita sob variada forma de gêneros: crônica monástica, memória política, tratados de antiquário, e assim por diante. A forma dominante, porém, tem sido a narrativa dos acontecimentos políticos e militares, apresentada como a história dos grandes feitos de grandes – chefes militares, reis. Foi durante o Iluminismo que ocorreu, pela primeira vez, uma contestação a esse tipo de narrativa histórica.”

Fonte: BURKE, P. “A escola dos Annales 1929-1989: A revolução francesa da historiografia”. Tradução de Nilo Odália. São Paulo: Unesp, 1991, p.18.

 

Com base no texto e nos conhecimentos sobre o tema, é correto afirmar:

a) A mudança do gênero de narrativa histórica, iniciada com o movimento Iluminista, questionará uma história dos grandes heróis.

b) A produção historiográfica dos gregos e romanos antigos foi deixada de lado pelos pensadores iluministas, pois a Revolução Francesa queimou, como na Inquisição, os textos heréticos.

c) Os monges buscaram perpetuar, por meio de suas crônicas monásticas, as realizações consagradas do cotidiano de Heródoto e Tucídides produzindo, assim, um gênero de escrita histórica.

d) A narrativa histórica foi revolucionada durante o Iluminismo pelos sábios laicos que buscavam, por meio de seus estudos, alcançar o sentido histórico-religioso da humanidade.

e) A história, entendida como um dos principais campos do conhecimento humano, esteve, durante o período antigo, despreocupada com a preservação da memória política dos reis.

13. (Ufpel 2007)            Lei do Máximo, de 29/09/1793.

Fixa limites para os preços e salários, aprovada sob pressão popular pela Convenção Nacional.

 

Plano Cruzado

“[...] Se, por um lado, lançou o Plano Cruzado congelando preços e salários, reduzindo bruscamente a inflação que penalizava os trabalhadores de baixo poder aquisitivo, por outro foi extremamente inoperante em relação às elites quando estas iniciaram o boicote ao Plano e passaram a reter produtos provocando a escassez no mercado, assim pressionando para a elevação dos preços através da formação de mercado paralelo. Com isso, a corrosão dos salários se manifestava na prática, sem entrar, contudo, nos cálculos oficiais da inflação.”

AQUINO, Rubim et al. “Sociedade Brasileira: uma história através dos movimentos sociais. Da crise do escravismo ao apogeu do neoliberalismo”. Rio de Janeiro: Record, 2000.

 

A legislação brasileira contemporânea imitou aquela estabelecida pela Convenção Nacional.

As conjunturas históricas a que correspondem os textos, respectivamente, são

a) a da Revolução Francesa e a do governo Sarney.

b) a da Revolução Industrial e a do governo Collor de Mello.

c) a da Revolução Americana e a do governo Itamar Franco.

d) a da Revolução Inglesa e a do governo Fernando Henrique Cardoso.

e) a do Império Napoleônico e a do governo João Figueiredo.

14. (Ufpi 2007)  Analise as afirmações a seguir acerca da Revolução Inglesa do século XVII.

 

I. Significou o rompimento com um passado pré-industrial e a construção de um modelo econômico baseado na exportação de capitais para as nações menos desenvolvidas.

II. Representou a instalação de uma ordem política marcada pela destruição do absolutismo monárquico e pela afirmação de um regime dominado pela burguesia.

III. Manifestou, com a Revolução Gloriosa, a constituição de uma aliança entre a monarquia parlamentar e os interesses da burguesia inglesa.

 

Assinale a alternativa correta.

a) Somente I e II são verdadeiras.

b) Somente I e III são verdadeiras.

c) Somente II e III são verdadeiras.

d) Somente I é verdadeira.

e) Somente III é verdadeira.

15. (Ufmg 2006)  Com base em conhecimentos sobre o assunto, é CORRETO afirmar que o pensamento iluminista

a) levou seus principais ideólogos a tomar parte ativa nos acontecimentos da Revolução Inglesa e a se constituírem na principal liderança desse evento.

b) considerava a desigualdade um fenômeno natural e positivo, além de um importante elemento para garantia da estabilidade social e da paz.

c) favoreceu o envolvimento de todos os seus mentores em campanhas anticlericais, em que manifestavam um ateísmo militante e radical.

d) deu origem a projetos distintos, mas que tinham em comum reformas baseadas no princípio da tolerância e na busca da felicidade.

16. (Unesp 2005)  Gerald Winstanley, líder dos escavadores da Revolução Puritana na Inglaterra (1640-1660), definiu a sua época como aquela em que “o velho mundo está rodopiando como pergaminho no fogo”. Embora os escavadores tenham sido vencidos, a Revolução Inglesa do século XVII trouxe mudanças significativas, dentre as quais destacam-se a

a) instituição do sufrágio universal e a ampliação dos direitos das Assembleias populares.

b) separação entre Estado e religião e a anexação das propriedades da Igreja Anglicana.

c) liberação das colônias da Inglaterra e a proibição da exploração da mão de obra escrava.

d) abolição dos domínios feudais e a afirmação da soberania do Parlamento.

e) ampliação das relações internacionais e a concessão de liberdade à Irlanda.

17. (Uel 2005)  Leia o texto a seguir.

 

A educação é um processo que se alinha com as transformações da vida material das nações, como ocorreu com a Inglaterra, a partir da Revolução de 1640; com a Alemanha em 1870; e com os franceses que, após 150 anos da primeira revolução inglesa (1640), seguem trajetórias históricas semelhantes. Esses países implantaram a universalização do ensino e a secularização do conhecimento científico, multiplicando os valores da cidadania. A Revolução de 1789 lançou as bases do mundo contemporâneo através de mudanças estruturais na produção capitalista no campo dos diferentes saberes, da cultura e da educação, agora estendidas a todas as crianças e jovens. É ingenuidade supor que educação, cultura e ciência acontecem por simples coincidência junto aos processos econômicos, políticos e sociais dessas nações. Também, não se pode ver esse fenômeno apenas como uma causalidade do processo de expansão do capitalismo. Na verdade, a universalização do ensino, a expansão da cultura e da ciência foram estratégias implementadas por interesses políticos, econômicos e militares. Em suma, foi uma revolução para superar os obstáculos e a antiga ordem que mantinham a sociedade prisioneira, com uma existência fechada e quase imóvel. (Adaptado de: RIBEIRO, Sergio Costa. Construir o saber. Revista “Veja”. São Paulo, ed. especial 25 anos, p. 207-217, 1993.)

 

Com base nos exemplos do texto sobre as revoluções educacionais e culturais ocorridas em outros países, considere as seguintes afirmativas para o caso brasileiro.

 

I. O Brasil precisa fazer sua revolução educacional, pois, apesar de já ter rompido com o modelo educacional religioso de sua origem colonial portuguesa e de ter promovido a universalização do ensino, ainda falta proporcionar um maior acesso às conquistas culturais e científicas.

II. Com a chegada dos Jesuítas, a educação no Brasil direcionou-se à preparação da população para desenvolver habilidades e competências no campo da cultura, educação e ciência.

III. Nos dias atuais, a sobrevivência econômica do Brasil está associada à competência da mão de obra. Assim, a educação fundamental e média, principalmente o domínio do idioma, da matemática e das ciências, é considerado condição essencial para o desenvolvimento econômico e social.

IV. Na década de 1950, o Brasil passou por um acelerado processo de substituição de importações. Para isso, foi necessária uma revolução no campo da educação de massas.

 

Estão corretas apenas as afirmativas:

a) I e II.

b) I e III.

c) III e IV.

d) I, II e IV.

e) II, III e IV.

18. (Fgv 2002)  “O século XVII é decisivo na história da Inglaterra…. Toda a Europa enfrentava uma crise em meados do século XVII e ela se expressava por meio de uma série de conflitos, revoltas e guerras civis.”

(Hill, Christopher, “O eleito de Deus. Oliver Cromwel e a Revolução Inglesa”, p. 13.)

 

A esse respeito é CORRETO afirmar:

a) Durante o século XVII, a Inglaterra foi a única região que passou ao largo das turbulências político-sociais que sacudiram as monarquias europeia.

b) A “Declaração de Direitos” (Bill of Rights), elaborada em 1689, estabeleceu a monarquia absolutista na Inglaterra, condição fundamental para o poderio britânico que se verificaria nos séculos XVIII e XIX.

c) A chamada Revolução Gloriosa de 1688 consolidou a emergência dos grupos radicais, denominados niveladores e cavadores, em detrimento do poder da aristocracia senhorial inglesa.

d) O resultado final da Revolução Inglesa foi a adoção de um pacto político e religioso entre a burguesia e a nobreza proprietária de terras, que garantiu o reconhecimento da supremacia papal sobre os assuntos religiosos da monarquia.

e) Após a chamada Revolução Puritana, que resultou na execução do rei Carlos I, e da Revolução Gloriosa, que levou à deposição de Jaime II, a monarquia teve seu poder limitado, tendo que cumprir as leis votadas pelo Parlamento.

19. (Ufrn 2000)  “Os Cabeças Redondas (round-heads) receberam esse nome pelo corte de cabelo que usavam: curto, de forma arredondada, desprezando a moda corrente dos cabelos longos entre os membros da corte… A partir das vitórias militares sobre os Cavaleiros, conseguiram a rendição do rei em 1646. Entretanto, Carlos I reorganizou seus soldados e recomeçou a guerra, sendo derrotado definitivamente pelos Cabeças Redondas de Cromwell. Preso, Carlos I foi julgado pela Alta Corte de Justiça a mando do Parlamento, sendo condenado à morte. Em janeiro de 1649 o rei foi decapitado em frente ao palácio de Whitehall, em Londres.”

HILL, C. “O eleito de Deus: Oliver Cromwell e a Revolução Inglesa”. São Paulo: Companhia das Letras, 1988. p. 179.

Com relação aos fatos citados no texto acima, é correto afirmar que

a) o Parlamento, ao executar o rei, atacava um princípio central do Estado Absolutista, que era a ideia da origem divina do poder real e de sua incontestável autoridade.

b) os Cabeças Redondas defendiam não apenas a extinção do regime monárquico como também a luta armada contra nações que tivessem esse regime.

c) a Revolução Inglesa questionava a legitimidade do Antigo Regime Monárquico e desencadeou uma série de revoluções, pondo fim ao Estado Moderno na Europa.

d) a Revolução Inglesa estava afinada com os interesses da nascente burguesia, mantendo alguns privilégios da nobreza, ligada à Igreja Anglicana.


Print Friendly

Comentar





Web Mail
Z13 - Sua Fábrica de Web e Multimídia